Gêmeos de médica que mandou cortar o pênis do ex noivo, nascem prematuros

0
6
Myriam Priscilla Rezende de Castro

Nasceram, na manhã desta quarta-feira (4), os gêmeos da médica Myriam Priscila de Rezende Castro, que foi condenada por mandar cortar o pênis do ex-noivo em 2002. A informação foi confirmada pela assessoria da maternidade Octaviano Neves, onde a mulher está internada sob custódia da Subsecretaria de Administação Prisional (Suapi).

Ainda conforme a unidade hospitalar, eles não sabem o horário exato do nascimento. Os bebês estão em observação no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) Neonatal, uma vez que nasceram prematuros. A assessoria também não soube informar com quanto tempo de gestação Myriam estava.

A reportagem de O TEMPO tentou contato com o advogado da médica, Giovanni Caruso Toledo, entretanto, nenhum dos contatos telefônicos foram atendidos. Já a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), confirmou que assim que a médica e os bebês tiverem alta eles serão transferidos para o Centro de Referência à Gestante Privada de Liberdade, em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte.

De acordo com a secretaria, a médica já é escoltada por agentes penitenciários da unidade especial, que recebe as detentas grávidas até o que os seus filhos completem 1 ano. Após esse período, a Justiça decide sobre a guarda da criança, encaminhando-as normalmente para familiares mais próximos das detentas.

A médica chegou a ser considerada foragida da Justiça após sair para trabalhar no dia 28 de janeiro e não retornar mais para o Complexo Penitenciário Estevão Pinto, no bairro Horto, na região Leste da capital. Ela só foi localizada pela Polícia Militar (PM) na maternidade no dia 20 de fevereiro deste ano. Desde então ela chegou a ter o direito de trabalhar suspenso e o pedido de prisão domiciliar negado pelo juiz.

ENTENDA O CASO

Crime

A médica Myriam Priscilla Castro mandou cortar o pênis do ex-noivo, Wendel José de Souza, em Juiz de Fora, na Zona da Mata, em 2002. O órgão foi extraído com uma faca, por dois homens contratados pela mulher. A vítima, que havia terminado o noivado três dias antes da data marcada para o casamento, não morreu.

Condenação

Myriam foi condenada a seis anos de prisão e capturada em Pirassununga (SP). Desde abril de 2014, ela cumpre pena no Complexo Penitenciário Estevão Pinto, na capital. Em julho, a detenta foi autorizada a trabalhar fora, mas tem que passar as noites na prisão.

Fonte:www.otempo.com