Mulher é atacada e morta pelo ex em hospital no RS.

0
23

assassinato

Vítima foi arrastada para fora da instituição e assassinada com três tiros.Crime ocorreu na madrugada de domingo (22) em Venâncio Aires.

Imagens das câmeras de segurança divulgadas nesta terça-feira (24)  mostram o momento em que uma mulher é atacada dentro de um hospital em Venâncio Aires, no Vale do Taquari, Rio Grande do Sul. Mirian Roselene Gabe foi assassinada pelo ex-companheiro na madrugada de domingo (22), pouco depois de ir à delegacia tentar registrar queixa de agressões e ameaça de morte, como mostra a reportagem do Bom Dia Brasil, da Rede Globo.

Na sala de emergência, uma mulher e uma criança aguardam atendimento. É quando a vítima entra correndo, perseguida pelo ex-companheiro. Um segurança tenta intervir, mas é baleado. A mulher é arrastada para frente e assassinada com três tiros. A vítima, de 34 anos, esperava para fazer exame e comprovar as agressões sofridas pelo homem, momentos antes.

A chefia da Polícia Civil do Vale do Rio Pardo admite que por falta de agentes houve falha no atendimento prestado à mulher. O Ministério Público (MP) investiga porque ela não recebeu proteção policial imediatamente como determina a lei. “Quando ela chegou na delegacia e informou ao policial, independente dele fazer o registro, ela já estava fazendo a ocorrência verbalmente. Então, a partir deste momento ela já estava sob proteção da polícia”, diz o promotor Pedro Porto.

O MP vai ouvir testemunhas para avaliar o atendimento prestado pelo policial que estava trabalhando sozinho e não acompanhou a vítima até o hospital. Já o chefe da Polícia Civil no Vale do Rio pardo admitiu que houve falha no atendimento por falta de policiais. Segundo ele, a delegacia que conta com um plantonista deveria ter no mínimo três.

“Não dá pra trabalhar com excelência com só um policial de plantão na segunda cidade mais violenta da região. Então, a gente corre este risco. E eu não estou fazendo um pré-julgamento da atitude do meu policial, que eu vou avaliar em um processo administrativo. Mas a gente corre o risco de acontecer situações como esta”, justifica o delegado regional Julci Severo.

Segundo a polícia, Júlio César Kunz, de 35 anos, foi preso na segunda-feira (23) e confessou o assassinato. Ele foi encaminhado ao Presídio Regional de Santa Cruz do Sul, na mesma região. O segurança do hospital continua internado e passa bem.

Fonte:www.globo.com.br